A certeza da dúvida

Sobre a alegada morte de Abu Bakr al Baghdadi, líder do Estado Islâmico, a única certeza é a de que há muitas dúvidas. Desde que a Rússia anunciou a morte de Abu Bakr que os Estados Unidos recusam confirmar essa informação. 

No Iraque, o porta-voz militar norte-americano disse que não tinha informação para fazer essa confirmação; mais recentemente, a 14 de Julho, foi o Secretário da Defesa, Jim Mattis, a dizer que os Estados Unidos não possuíam informação que demonstrasse a morte de Abu Bakr e que a atitude dos Estados Unidos será a de considerar que al Baghdadi está vivo, até prova em contrário; a 17 de Julho, o porta-voz do Kremlin, disse que a informação recebida é contraditória e está a ser investigada pelas agências russas; esta sexta-feira, 21 de Julho, Nicholas Rasmussen, director do Centro de Contra-Terrorismo dos Estados Unidos corroborou as afirmações anteriores dizendo que não dispõe de qualquer informação que possa confirmar a morte do líder do Estado Islâmico.

Para além do anúncio inicial feito pelo Ministério da Defesa da Rússia (16 de Junho) de que Abu Bakr tinha sido morto (a 28 de Maio) nos arredores de Raqqa (Síria), e depois pelo Irão, o que mais credibilidade mereceu – por ser uma fonte geralmente muito bem informada – foi o que teve origem no Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Rami Abdul Rahman, director do OSDH disse que tinha informação confirmada de um dos líderes do Estado Islâmico em Deir ez Zor (Síria) e que activistas do OSDH também obtiveram a informação de fontes do Estado Islâmico de que Abu Bakr al Baghdadi tinha sido morto e que terá sido na região de Deir ez Zor que passou os últimos três meses.

Esta informação sobre a região onde Abu Bakr terá passado os últimos meses coincide com a informação dos serviços secretos dos curdos iraquianos que acreditam na presença dos mais destacados líderes do Estado Islâmico na zona a sul de Raqqa, ou seja, muito próximo da região de Deir ez Zor. Lahur Talabany, o chefe dos serviços secretos dos curdos do Iraque (quase) não tem nenhuma dúvida de que Abu Bakr al Baghdadi está vivo. A 17 de Julho, numa entrevista à agência Reuters, disse ter a informação de que ele está vivo e “acredita a 99% que Al Baghdadi está vivo”. Lahur Talabanay lembra que Abu Bakr al Baghdadi conseguiu esconder-se durante largo tempo dos serviços secretos iraquianos (quando liderava a Al Qaeda no Iraque), tem uma longa experiência e “sabe o que está a fazer”.

A menos que a Rússia tenha alguma prova credível de que Abu Bakr al Baghdadi morreu nesse ataque aéreo de Maio, está instalada a dúvida sobre o que de facto terá acontecido ao líder do Estado Islâmico. O bombardeamento do qual terá resultado a morte de Al Baghdadi foi violentíssimo e, diz a Rússia, morreram umas largas dezenas de combatentes e comandantes do Estado Islâmico. Pode dar-se o caso de Al Baghdadi ter sido “pulverizado”, mas estamos apenas no campo das hipóteses. A Rússia tem estado em silêncio, mas é bom lembrar que os Estados Unidos dizem que mataram Bin Laden e nunca fizeram prova disso.
Pinhal Novo, 22 de Julho de 2017

<!– /* Font Definitions */ @font-face {fontfamily:”Cambria Math“; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; msofontcharset:0; msogenericfontfamily:auto; msofontpitch:variable; msofontsignature:-536870145 1107305727 0 0 415 0;} @font-face {fontfamily:Calibri; panose-1:2 15 5 2 2 2 4 3 2 4; msofontcharset:0; msogenericfontfamily:auto; msofontpitch:variable; msofontsignature:-536870145 1073786111 1 0 415 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {msostyleunhide:no; msostyleqformat:yes; msostyleparent:””; margin:0cm; marginbottom:.0001pt; msopagination:widoworphan; fontsize:12.0pt; fontfamily:Calibri; msofareastfontfamily:Calibri; msobidifontfamily:”Times New Roman“; msofareastlanguage:EN-US;} .MsoChpDefault {msostyletype:exportonly; msodefaultprops:yes; fontsize:10.0pt; msoansifontsize:10.0pt; msobidifontsize:10.0pt; fontfamily:Calibri; msoasciifontfamily:Calibri; msofareastfontfamily:Calibri; msohansifontfamily:Calibri;} @page WordSection1 {size:595.0pt 842.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; msoheadermargin:35.4pt; msofootermargin:35.4pt; msopapersource:0;} div.WordSection1 {page:WordSection1;}

–>

josé manuel rosendo

One thought on “A certeza da dúvida

  1. Deste \”bombardeamento violentíssimo\” não terá resultado apenas a morte de \”combatentes e comandantes\”.Nesta limpeza, guerra higiénica, falta contabilizar quantos civis terão tombado.Mas esta informação não consta, por norma, nos comunicados militares.A. A.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s