Bonito serviço…

Ilustração retirada de colegioweb.com.br

Se Ana Gomes não se tivesse apresentado a eleições, é muito provável que o candidato da extrema-direita tivesse ficado em segundo lugar. Teríamos assim a vitória de um candidato da direita (dou de barato que digam de centro-direita, mas por mais que façam o pino é essa a origem política do vencedor) e um segundo lugar para a extrema-direita. Será este o mesmo país que ainda não há muito tempo deu à esquerda duas maiorias parlamentares? Quem é que não percebeu o quê?

Estou habituado a não ganhar eleições. Digo não ganhar, em vez de perder, porque poder votar é desde logo uma vitória. De facto, recordo-me de, apenas por uma vez, numas presidenciais, ter feito a cruzinha no candidato vencedor. Nestas presidenciais, a vitória do candidato vencedor foi muito clara. E há uma derrota clara de todas – todas – as forças de esquerda, num momento em que a extrema-direita ganha força.

Tenho a convicção de que os eleitores cativados pela extrema-direita, para além de alguns fascistas convictos, que os há, são pessoas legitimamente desencantadas com uma vida política enredada em escândalos, corrupção e promessas não cumpridas. São pessoas fartas de ser enganadas e que, em último recurso, acreditam num candidato que expõe, admitamos, algumas vezes de forma assertiva, as manchas da República. Mas, as pessoas legitimamente desencantadas com a situação, para além de sentirem algum conforto quando ouvem o arauto da extrema direita elencar os vícios e maleitas do sistema, não percebem que as propostas desse candidato para debelar essas manchas são muito piores e até o contrário do que, estou convicto, esses eleitores pretendem para Portugal. Aquilo que os desiludidos do sistema querem e precisam não tem resposta na extrema-direita.

Esta situação reflecte um outro problema: traduz o desinvestimento na Educação. Semelhante , nas causas, ao desinvestimento na área da Saúde, quando agora precisamos de combater a pandemia. No caso da Saúde, damos pelo desinvestimento de forma muito palpável e concreta quando as urgências dos hospitais rebentam pelas costuras e quando se constata a falta de médicos e enfermeiros; no caso da Educação, embora menos palpável, reflecte-se nas escolhas pouco esclarecidas dos cidadãos quando não conseguem discernir entre as propostas políticas sérias e honestas – de esquerda e de direita – e optam por candidatos de discurso fácil, populista, racista, mentiroso e muitas vezes brejeiro e ordinário. É uma questão de Educação! Não de grau académico, mas de civismo, de ética, de preocupação com o outro e com o todo, de preocupação com o futuro das gerações mais jovens, de respeito por quem lutou e morreu pela Liberdade.

E a esquerda? Não é que seja obrigatório haver uma polarização da vida política, mas as águas devem ser claras e transparentes: onde está a esquerda? Que força tem e que força quer ter? Ou será que estamos naquele momento a seguir ao Maio de 68, em França, quando Jean-Paul Sartre, confrontado com a vitória gaullista nas eleições que se seguiram a esse Maio de 68 e a responsabilidade da esquerda ao permitir essa vitória, respondeu: “Depende da esquerda de que se falar”. Há esquerdas que sabemos quem são e onde estão. Depois há outras coisas que ora são esquerda ora são direita, e muitas vezes “lavam as mãos” de tomadas de posição de que não se podem demitir. Fazem-no numa alegada tentativa de equilíbrio que, sendo legítima, retira legitimidade para reivindicar pertença a um campo político que, precisamente pela opção (p)referida, não se pertence.

Há quem se situe ideologicamente à esquerda e continue a pensar que não há política sem ideias. Há quem acredite convictamente que não há homens ou mulheres providenciais e acredite numa esquerda em que o bem-comum apenas poderá ser conseguido com a mobilização e o envolvimento do colectivo. A esquerda tem um lastro de lutas internas fraticidas que nunca deram outro resultado que não o avanço da direita ou até de coisas piores. Não adianta que cada porção da esquerda se acantone e diga “a esquerda somos nós”. Na linguagem do futebol é hábito dizer-se que uma equipa não é apenas onze jogadores em campo, por muito talentosos que sejam. É assim também na política. Ninguém precisa de abdicar de princípios, mas é preciso identificar inimigos e adversários comuns, estabelecer prioridades e objectivos. Só essa esquerda tem futuro. Uma esquerda em defesa do bem-comum, solidária, onde os mais desprotegidos tenham protecção, onde não pode haver sectarismo e onde terá de ser construído um campo de encontro que defenda a Liberdade, a Democracia e uma sociedade em que os principais problemas consigam ter resposta. A esquerda tem de saber construir um horizonte de esperança.

Houve meio milhão de portugueses que votaram na extrema-direita. Não é possível que exista este número de portugueses a querer um país como aquele que a extrema-direita defende e há, certamente, neste número de eleitores, diferentes explicações para a opção de voto que fizeram. Mas há um problema claro. Na guerra, mata-se ou aprisiona-se o inimigo; na política, em Democracia, conquistam-se os adversários para o nosso campo. Com ideias e argumentos.

Portugal tinha beneficiado até agora de uma vacina proporcionada por décadas de fascismo. Quase 50 anos depois de termos acabado com esse regime sinistro, fica evidente que o efeito da vacina está a passar. Se não entendermos isto agora e se a política à esquerda continuar a ser feita da mesma maneira, nada de bom podemos esperar.

One thought on “Bonito serviço…

  1. Vamos por partes:
    Sic 1: “dou de barato que digam de centro-direita, mas por mais que façam o pino é essa a origem política do vencedor”. E depois, meu caro, que mal há nisso? Em Democracia, existe a esquerda e a direita civilizadas e as que não são. E se a esquerda (defina-a!), não tem candidato credível para substituir o da direita que acaba de se reeleger, e tem exercido um papel mais que razoável e andado ao colo com a “geringonça”, é um imperativo que para ter o direito a proclamar-se de esquerda uma pessoa tenha que votar nas “esquerdas” fraticidas, sectárias, demagógicas, radicais ou em sacos onde cabe tudo?
    Sic 2: “Há esquerdas que sabemos quem são e onde estão”. Se sabe quem são e onde estão, diga. Vindo de si, estou muito interessado em saber.

    Gostar

Deixe uma Resposta para Manuel Anta Cancelar resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s