Loureiro dos Santos, o Homem que sabia pensar

O mais recente livro do General Loureiro dos Santos, publicado no início de 2016
Obrigado, é a palavra que posso deixar ao General Loureiro dos Santos. Nas últimas horas têm-se sucedido as palavras elogiosas, mas há um aspecto que gostava de sublinhar: era um Homem que sabia pensar! Enquanto jornalista estou habituado a tentar detectar quem sabe pensar, quem consegue construir um silogismo não apenas formalmente correcto, mas correcto também porque utiliza premissas válidas. Essa é a componente de sabedoria que mais me interessa quando procuro alguém que ajude a explicar um acontecimento, uma decisão ou um momento de expectativa face a um qualquer facto que mexa com o Mundo. Porque só assim ajudamos os outros a pensar. Não a pensar da mesma maneira que nós, mas simplesmente a pensar. Porque é essa também a função do jornalismo.
Para além do currículo académico e militar, dos livros e das entrevistas, Loureiro dos Santos era um homem sempre disponível para os jornalistas. E, não é um pormenor sem importância, teve a percepção do erro que foi a guerra iniciada em 2003 no Iraque. Como por estes dias tem sido lembrado, explicou numa entrevista à Rádio Renascença a troca de palavras que manteve com Durão Barroso, então Primeiro-ministro e anfitrião da chamada “Cimeira da Guerra”, nos Açores: “Durão Barroso telefonou-me, estivemos os dois aos berros um com o outro porque ele dizia-me ‘mas eu vi as provas’. Ai viu! Olhe, não acredite nelas”, contou Loureiro dos Santos em Outubro de 2014. Quantos se atreveriam a dizer isto a um Primeiro-ministro, ainda por cima com o Secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, a exibir as ditas provas perante o Conselho de Segurança da ONU?
O General Loureiro dos Santos tinha razão. Mas nem todos gostam de assumir o que pensam e há até quem goste de ser enganado, porque fazer-se de parvo também pode trazer benefícios.
Certamente que o General Loureiro dos Santos lia muito. E lia o que outros escreviam, o que é normal e saudável. Quem se dedica às Relações Internacionais, à Geopolítica, conhece as fontes de informação, sabe quem produz conhecimento. Uns ficam-se por fontes associadas ao poder vigente, outros vão mais além. Uns estudam e produzem pensamento próprio, outros limitam-se a debitar o que já leram em escritos alheios. Quem conhece as fontes tem por vezes a sensação do “déjà vu”: eu já li/ouvi isto em qualquer lado! Com o General Loureiro dos Santos não corríamos esse risco e podíamos contar com pensamento próprio.
A última vez que falei com o General Loureiro dos Santos foi em Abril de 2017 quando os Estados Unidos lançaram “A Mãe de Todas as Bombas”, no Afeganistão, junto à fronteira com o Paquistão, supostamente para destruir redes de túneis utilizados por combatentes do Estado Islâmico. Testada (que se saiba) uma única vez em 2003 e usada agora no Afeganistão pela primeira vez em situação de conflito real, apanhou toda a gente de surpresa. O que é isto, foi a pergunta que fizemos na redacção. Pergunta para a qual procurámos resposta junto do General Loureiro dos Santos. “A Mãe de todas as bombas”?, repetiu o General do outro lado da linha. “Explique-me lá melhor o que é isso”, pediu. O Google ajudou: é a MOAB GBU-43. “Ah já sei o que é… ”. Assim foi. E lá nos explicou a capacidade de destruição da besta que pesa mais de 10 toneladas. 
Infelizmente, já não vamos poder voltar a telefonar ao General Loureiro dos Santos para que nos ajude a perceber uma qualquer frente de guerra ou uma qualquer arma que a loucura humana decida criar. Para além do percurso como militar e da intervenção política, que agradarão mais a uns do que a outros, fica o respeito e a admiração amiga por um homem que nos ajudou a saber mais, a ter informação mais completa e a deixar essa marca de relevo que foi a dizer o que pensava.
General Loureiro dos Santos, obrigado e até sempre!
Pinhal Novo, 19 de Novembro de 2018
<!– /* Font Definitions */ @font-face {font-family:"Cambria Math"; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:auto; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-536870145 1107305727 0 0 415 0;} @font-face {font-family:Calibri; panose-1:2 15 5 2 2 2 4 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:auto; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-536870145 1073786111 1 0 415 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:Calibri; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} .MsoChpDefault {mso-style-type:export-only; mso-default-props:yes; font-family:Calibri; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} @page WordSection1 {size:595.0pt 842.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;} div.WordSection1 {page:WordSection1;}

–>

josé manuel rosendo

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s