"Sauditas controlam as embaixadas do Iémen; o Irão não está no Iémen"

Imagem Youtube – entrevista de Sadek al Saar na France 24

Sadek Al Saar é um diplomata. Estava na Embaixada do Iémen em Paris mas decidiu deixar o posto porque diz que as embaixadas iemenitas estão controladas pela Arábia Saudita e não lhe era permitido denunciar o que está a acontecer no Iémen. Garante que o Irão não está presente no Iémen e que tudo é fruto da vontade saudita de controlar o Iémen. Porquê? Porque o Iémen é uma República e estava a caminho de ser uma democracia onde as mulheres têm direitos. Acrescenta que tudo o que os media dizem sobre o Iémen são fake news pagas com dinheiro saudita. Parte desta entrevista passou no Programa Visão Global da Antena 1 dia 19 de Novembro de 2017. Aqui fica a entrevista completa.


Pergunta – Senhor Sadek Al Saar, porque é que deixou o seu trabalho na embaixada do Iémen em Paris?
Resposta – É uma boa questão mas deixe-me regressar à questão de saber se a situação no Iémen é fruto da Primavera Árabe. (Esta questão tinha sido colocada ao General Yahya Saleh, entrevistado em simultâneo)
Em minha opinião o Iémen está a pagar o que fez nesse aspecto. O que nós no Iémen chamamos de Revolução Jovem teve sucesso porque (o Presidente Ali Abdullah) Saleh resignou, houve diálogo entre todos os partidos políticos, com os jovens e as mulheres, e estávamos quase a chegar a uma solução. Concordámos em dar uma quota de 30% às mulheres no Governo, no emprego … mais lugares para os jovens… Todos os partidos estavam dispostos a assinar o acordo. Quando a Arábia Saudita ficou a saber desse acordo, atacou o Iémen. (o acordo) Foi a 23 ou 24 de Março e eles atacaram o Iémen a 25 de Março de 2015. Isto consta da declaração do enviado das Nações Unidas Jamal Benomar que pode ser encontrada no Los Angeles Times.
P – Mas já havia confrontos antes de 2015…
R – Ninguém estava a combater. Havia algumas escaramuças entre Houthis e algumas tribos mas o Presidente (Abdrabbuh Mansur) Hadi disse que era um problema entre eles. Como lhe disse, o Iémen paga o preço da Arábia Saudita querer provocar o caos no Iémen. Gastaram muito dinheiro com isso, mas os iemenitas sabem o que é a guerra e viram o que estava a acontecer na Líbia e na Síria. Por isso resistimos e foi a própria Arábia Saudita a atacar o Iémen. Não podiam colocar um ditador no poder, não podiam criar o caos, então atacaram o Iémen.
Agora, porque é que deixei o meu posto…? Porque não podia falar da catástrofe humanitária. Disseram-me que era proibido falar disso. Então, quem vai falar disso?
Eu não resignei. Queriam que eu fechasse a boca … perguntei quem iria falar disso. Se a Arábia Saudita diz que está a ajudar o Iémen, por que é que fechou as fronteiras? Por que faz um bloqueio? Por que destrói escolas? Até hospitais… Por que mata crianças e mulheres? Destruíram todas as infraestruturas, não posso acreditar que tenham ido em nossa ajuda.
Disseram-me para resignar, respondi que não o fazia. É o meu país e vou falar de todos os crimes que estão a cometer.
P – É por isso que tem a Fundação (Salam for Yémen – Paz para o Iémen)?
R – Depois criei a Fundação Salam for Iémen… Paz para o Iémen. Fazemos muitas conferências, encontros, exposições para mostrar como o Iémen é bonito e os iemenitas são pacíficos. Queremos também chamar a atenção porque há dois bloqueios ao Iémen: o bloqueio físico, que é o primeiro da história… bloqueio aéreo, marítimo e terrestre. Ninguém pode sair ou entrar no Iémen. Há também o bloqueio mediático. Ninguém fala do Iémen e do crime que está a ser cometido. Estão a matar as pessoas à fome. As Nações Unidas e muitas organizações não governamentais referem a maior catástrofe humanitária do nosso tempo. Provocada pelo homem. Não é um tsunami ou uma seca, é porque a Arábia Saudita e os Emirados, apoiados pelos Estados Unidos e Reino Unido, bloqueiam o Iémen.
P – Por que é que acha que o resto do mundo fecha os olhos a essa realidade?
R – Porque a Arábia Saudita está envolvida, com o apoio dos Estados Unidos, Reino Unido e França e também a Itália… um pouco a Espanha… não falo da Rússia porque não quer saber do Iémen … tem muitos problemas na Síria, não tem interesse no Iémen… a China faz negócios em todo o lado, não quer saber do Iémen… é esta a realidade.
P – Concorda com o General Yahya (ver outra entrevista neste blog) quanto à solução que pode ser encontrada? Apenas entre iemenitas ou admite algum tipo de apoio externo?
R – O único apoio que precisamos é que a Arábia Saudita pare com a intervenção no Iémen. Precisamos que a Arábia Saudita e os Emirados deixem o Iémen e deixem os iemenitas dialogarem. Somos um povo civilizado e de diálogo. Somos assim há 5 mil anos, não se trata de um país novo … é um país muito antigo e os portugueses conhecem muito bem o Iémen desde há 500 anos, ou talvez mais.
Tivemos muitas crises no passado, como em todo o lado, e resolvemo-las através do diálogo. Mas a Arábia Saudita decidiu interferir. Interferem a toda a hora com diferentes argumentos. Encontram sempre uma desculpa para interferirem no Iémen, para atacar o Iémen. De facto, a Arábia Saudita nunca esquece o Iémen devido a duas escolhas que fizemos: o sistema político, que é a única república na região, e as questões sociais em que demos todos os direitos às mulheres. As mulheres no Iémen podem ser ministros, podem eleger e ser eleitas, o que não acontece na Arábia Saudita, mesmo que possam viajar ou conduzir.
P – Quanto ao Presidente Saleh, primeiro contra os Houthis e agora com os Houthis. Estou enganado?
R – Tem razão. Mas a Arábia Saudita empurrou Saleh e os Houtihis para estarem juntos porque atacou o Iémen. Atacou Saleh, que tinha uma boa relação com os sauditas. Mas já não tem. Porquê? Porque a Arábia Saudita encontrou uma razão para atacar o Iémen. Disseram que estavam a atacar os Houthis. Depois atacaram o Saleh e a organização militar próxima de Saleh, e foi isso que disseram os media. Mas foi apenas uma desculpa, na realidade vieram apenas para matar iemenitas e destruir o Iémen.
P – Como é que pensa que isto vai acabar?
R – Vai acabar quando as pessoas, como o meu amigo (General Yahya) disse, tomarem consciência e pararem. O que estão a fazer é um crime, é um genocídio. É incrível o que está a acontecer no Iémen. Como lhe disse, há um bloqueio, fecharam as fronteiras aos jornalistas. Há 3 meses, até a Cruz Vermelha Internacional trouxe alguns jornalistas mas não foram autorizados a entrar. A única coisa que se pode fazer é muita gente pressionar para que deixem de matar pessoas inocentes no Iémen.
P – Quantas pessoas já morreram… 9 mil?
R – Sim, oficialmente 9 mil, talvez 10 mil, mas em minha opinião são mais… São números oficiais de mortos directamente bombardeados. Consegue imaginar as vítimas indirectas, devido à falta de medicamentos, falta de alimentos… são muitos milhares… em minha opinião mais de 50 mil. Há agora também muitas doenças que é incrível existirem hoje … temos cólera… Temos problemas com diabéticos que não têm insulina… Pessoas que precisam de fazer hemodiálise…
P – Quantas pessoas com cólera… Cerca de um milhão?
R – Cerca de 500 mil há três meses… Mas agora cerca de um milhão. Consegue imaginar? É horrível, é demais…
P – Quantas pessoas sem alimentos?
R – Pessoas quase em situação de fome são sete milhões e cerca de 17 milhões precisam de ajuda humanitária.
P – Alguma mensagem para António Guterres?
R – Por favor, não esqueça que há um bloqueio no Iémen, que há uma guerra… quer dizer… que há um ataque agressivo da Arábia Saudita e dos Emirados. Dizem que é por causa do Irão mas o Irão não está no Iémen. Se têm algum problema com o Irão, dialoguem, mas não matem iemenitas com argumentos falsos.
P – Quando deixou o seu posto na embaixada em Paris, apenas disse adeus, ou saiu sem dizer nada?
R – Mantenho o meu posto, não o deixei, porque sou iemenita e não tenho o direito de permanecer calado. Vou ficar (no posto diplomático) mas não vou discutir com eles. Quando eles perceberem do que é que eu estou a falar eu vou voltar. Não vou resignar. Iria resignar para a Arábia Saudita. Eles controlam tudo nas embaixadas.
P – Os sauditas controlam directamente as embaixadas, estando lá, ou por outras vias?
R – Indirectamente. Querem manter absoluto silêncio sobre este genocídio.
P – Por que é que os media não falam do Iémen.
R – Diabolizaram o Iémen…
P – Quem diabolizou o Iémen?
R – O ocidente, porque são próximos dos sauditas. A Arábia Saudita controla muitos media no mundo árabe e tem acordos com muitos grupos de comunicação. Têm um acordo com a publicis, o 4º maior grupo de marketing e comunicação em França apenas para não falarem do que se passa no Iémen. Também chamaram vários jornalistas que escrevem sobre o Iémen, convidaram-nos e pressionaram para que não escrevam sobre o Iémen. E também, nos dois últimos anos que começaram a atacar o Iémen, assinaram contratos de milhões com os Estados Unidos e o Reino Unido. Se for ver as notícias sobre o incremento de venda de armas, aceleraram 50%… Porque? Devido à venda de armas à Arábia Saudita e Emirados. O mesmo em França…
P – Mas existe também a (Agência) Reuters, a France Press …a Associated Press…
R – Não sei o que há de errado com eles, mas se for ler as notícias dessas três agências, pensa que é a mesma pessoa que as escreve. Falam sempre de um conflito ou de uma guerra civil no Iémen e nunca, nunca, mencionam a Arábia Saudita.
P – Algumas vezes referem…
R – Algumas vezes… mas o que eu quero dizer é que a realidade diária é de bombardeamentos da Arábia Saudita e da coligação saudita.
P – Está a dizer que as três agências não nos dão a verdadeira imagem do que se passa…
R – Exactamente. Não é honesto. Estão a dar a mesma informação desde 25 de Março de 2015 até hoje. Dizem diariamente que há um conflito ou uma guerra civil entre o presidente Hadi apoiado pela Arábia Saudita e os Houthis apoiados pelo Irão. Não sou advogados dos Houthis, é um problema deles, mas como iemenita como posso dizer-lhe que não há um único iraniano ou armas iranianas no Iémen. É verdade que estão na Síria e eles dizem que estão. Dizem diariamente que não estão no Iémen mas por que é que France Press, Reuters e outros, dizem sempre mentiras… ou dão falsa informação?
P – Fake News…

R – Fake News, precisamente!

josé manuel rosendo
Pinhal Novo, 22 de Novembro de 2017

One thought on “"Sauditas controlam as embaixadas do Iémen; o Irão não está no Iémen"

  1. A força que a comunicação social possui é uma coisa absolutamente assustadora. Se tiver essa pretensão ou estiver manietada, manipula por completo a informação que tem em mãos para fazer passar a mensagem que bem entender. Isto leva-me a colocar esta questão: de quantos conflitos recebemos a informação completamente deturpada? As supostas versões oficiais estão muitas vezes longe do que acontece na realidade, omitindo o que convenientemente tiver de ser omitido. Excelente entrevista, José Manuel.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s